Transmissões

Data
Vídeos mais vistos

Dinossauros do Brasil: 170 milhões de anos de evolução

Os mais antigos esqueletos de dinossauros são conhecidos de rochas brasileiras com 233 milhões de anos de idade. Naquele tempo, um supercontinente agrupava todas as terras emersas hoje conhecidas e apenas dois oceanos banhavam suas praias. Mamíferos e flores ainda não existiam e nem qualquer vertebrado havia aprendido a voar. 170 milhões de anos mais tarde, após impactos de asteroides gigantes e vulcanismos que perduraram por milhões de anos, seis continentes rodeados por cinco oceanos estavam repletos com milhares de espécies de dinossauros. Eles disputavam os ares com répteis gigantes, devoravam pequenos mamíferos, se especializavam na captura de insetos que se multiplicavam em parceria com as plantas com flores. Com tamanhos que variavam desde o de uma pequena rolinha ao de causar espanto à baleia-azul, desafiaram as leis da física e da biologia. Chamada de era dos dinossauros, a Era Mesozoica foi o mais intenso momento para a geologia e biologia em toda a história da Terra. No Brasil as rochas de boa parte desse intervalo, bem como o trabalho de diversos paleontólogos, já nos deram cerca de 50 espécies de dinossauros, protagonistas de histórias que estamos começando aprender a explorar. Viva os dinossauros do Brasil. Biólogo, paleontólogo, escritor, professor do Instituto de Geociências da USP, tem cerca de 15 livros de divulgação científica publicados sobre a pré-história brasileira, em especial sobre a vida dos dinossauros. Em 2018 foi vencedor do prêmio Jabuti de literatura infanto-juvenil com o livro O Brasil dos Dinossauros. Luiz Eduardo Anelli oferece formação sobre dinossauros e a pré-história do Brasil para professoras e professores do ensino fundamental e médio. Foi curador da exposição Dinos na Oca – Parque Ibirapuera -, e é o atual curador da exposição Patagotitan – o maior do mundo, que estreia em setembro no Parque do Ibirapuera, São Paulo. Anelli é o atual diretor da Estação Ciência da USP.

» veja mais

Vídeos indicados

COLÓQUIO - IFUSP: CONVITE À EXPERIMENTAÇÃO

No Instituto de Física existem várias iniciativas no sentido de incorporar novas metodologias de ensino em algumas disciplinas, porém o modelo de aulas expositivas ainda é dominante e não oferece a oportunidade para a observação de fenômenos físicos como espaço para elaboração de hipóteses, modelos e para aplicação de conceitos básicos de física relacionados à disciplina. A introdução de experimentos didáticos permite ao professor trabalhar diferentes objetivos [1]: (i) adquirir conhecimento científico; (ii) aprender os processos e métodos das ciências; (iii) compreender as aplicações da ciência, especialmente as relações entre ciência e sociedade, e ciência-tecnologia-sociedade. É nesse contexto que o Laboratório de Demonstrações (LD) e os Experimentos Virtuais de Mecânica (http://www.fep.if.usp.br/~fisfoto/) vêm trabalhando e estimulando professores e estudantes a usar a experimentação como ferramenta de contextualização e apoio ao estudo dos mais variados tópicos da física. O Laboratório de Demonstrações possui um vasto acervo de equipamentos e demonstrações experimentais, que podem ser usados em sala de aula, além de contar com um oficina e técnicos para desenvolvimento de novas demonstrações em parceria com as disciplinas do IF e grupos de pesquisa. Por outro lado, os experimentos virtuais [2] vem sendo usados desde 2005 em disciplinas de mecânica da Licenciatura em Física [3], sendo objeto de pesquisa de alunos de iniciação científica e mestrado [4]. Neste colóquio serão apresentados os sites desses laboratórios divulgando o material existente e convidando a comunidade a contribuir na construção e desenvolvimento de novos equipamentos de demonstração. 1. Borges, A. T. Novos rumos para o laboratório escolar de Ciências. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 19, n. 3, p. 291–313, 2002. 2. Monaliza Fonseca et al. O laboratório virtual: Uma atividade baseada em experimentos para o ensino de mecânica. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 35, n. 4, 4503 (2013). 3. N.L. Maidana et al. The virtual physics laboratory, a context-based teaching Material - the rolling with slipping experiment. Physics Education. Aproved for publication (2016). 4. Monaliza Fonseca. O Laboratório Virtual como atividade complementar de disciplinas introdutórias de mecânica: análise a partir da experiência do giroscópio. Dissertação de mestrado. USP. 2015. http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/81/81131/tde-25112015-142723/pt-br.php