Transmissões

Data
Vídeos mais vistos

Vice-diretor do CeMEAI é reconhecido internacionalmente pela ICIAM

O professor José Mario Martínez Perez, do IMECC/Unicamp e vice-diretor do Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI) foi assim anunciado como vencedor do prêmio Su Buchin do Conselho Internacional de Matemática Industrial e Aplicada (ICIAM): “... é concedido por realizações notáveis em pesquisa - uma combinação de teoria, prática, software e aplicativos para resolver problemas de otimização em larga escala - e na promoção do desenvolvimento das comunidades de otimização e matemática aplicada na América Latina”. Tal reconhecimento é concedido a cada quatro anos a matemáticos com atuação destacada na educação, na pesquisa e na promoção do desenvolvimento de países em desenvolvimento. A cerimônia de entrega ocorrerá em agosto de 2023, em Tóquio, durante o Congresso do ICIAM. É a primeira vez que um matemático da América Latina é agraciado. O trabalho de Martínez Perez foi fundamental no crescimento da pesquisa em matemática aplicada na América Latina. Ele orientou mais de 30 alunos de mestrado e mais de 30 doutorados, mantendo conexões ao longo do tempo e promovendo colaborações que fortalecem o desenvolvimento de grupos de pesquisa em cada um desses países. Para justificar a escolha por seu nome, o comitê do ICIAM também escreveu: “... suas contribuições representam avanços notáveis para resolver problemas de otimização em larga escala por meio de algoritmos e software publicados, juntamente com um profundo envolvimento em uma ampla gama de aplicações. ” Conversamos com o vencedor do prêmio e também repercutimos essa importante conquista para a comunidade científica brasileira com o presidente Pablo Rodriguez, da Sociedade Brasileira de Matemática (SBMAC), entidade que fez a indicação, e com a officer-at-large no ICIAM, a brasileira Liliane Basso Barichello, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

» veja mais

Vídeos indicados

Segredos Contados pelo Esmalte Dentário

Palestra da Profa. Dra. Raquel F. Gerlach para as "Conversas Transdisciplinares" do Edital Santander Grandes Temas. A Profa. fala de alguns segredos que só o esmalte dentário pode revelar. Alguns dos segredos são: peptídeos dimórficos (pedacinhos de proteínas) específicos do esmalte, que permitem identificar se restos mortais de centenas a milhares de anos eram de um homem ou de uma mulher, o que abre um novo caminho para investigar o passado. Isso é possível porque o esmalte é o tecido mais mineralizado dos mamíferos, atingindo o extraordinário valor de 96% de mineral por peso de tecido. Pasme: Muitas rochas não tem tanto mineral ! Para comparação, o osso tem 45% de mineral (em peso). A Profa. Raquel fala rapidamente sobre as diferenças entre esmalte e outros tecidos mineralizados, como dentina e osso, e também mostra a morfologia bem diversa destes tecidos em relação ao esmalte maduro, que é uma coleção de bastões finíssimos e muito longos, cada um deles feito por uma célula. Ela mostra que as células que formaram o esmalte, os ameloblastos, morreram muito antes do esmalte surgir na boca. Segredo revelado: cuide muito bem do seu esmalte, pois ele não tem células para consertá-lo ou fabricá-lo de novo! Finalmente, são apresentados os dados de chumbo no esmalte dentário obtidos em uma década de pesquisa em Ribeirão Preto, SP, e outras cidades do nosso país. Nestas pesquisas se demonstra que o esmalte concentra chumbo na sua superfície e pode ser considerado um bom marcador para exposição a este metal, o qual é a mais preocupante neurotoxina para crianças. Outro segredo muito útil contado pelo esmalte dentário.