Transmissões

Data

IX Ciclo de Atualização em Zoonoses e Saúde Pública

Normal Expandido
Formato
Reportar Erro
Denunciar
Incorporar
Recomendar
Download
Gostei
1005 visualizações
Publicado em Wed May 31 15:27:41 GMT-03:00 2017
Responsáveis:  Paulo Roberto Urbinatti
Produção:  Adolpho Levy de Oliveira

O Departamento de Epidemiologia da FSP/USP em parceria com a Subgerência de vigilância, prevenção e controle da fauna sinantrópica e Subgerência de gestão de pessoas e
educação do Centro de Controle de Zoonoses da PMSP-SP, tendo apoio da Comissão de Cultura e Extensão Universitária da Faculdade de Saúde Pública/USP, realizará o
IX Ciclo de Atualização em Zoonoses e Saúde Pública, com os seguintes temas:

9h às 10h e 15 min - Vigilância epidemiológica da febre amarela silvestre no estado de SP
- Dra. Juliana Telles de Deus - Bióloga – Pesquisador Científico II - Lab. de Entomologia - LABENT-SUCEN-SP.

Síntese: Diante da situação epidemiológica da febre amarela silvestre, com proliferação dos casos silvestres em 2017, a vigilância da febre amarela no Brasil
mobiliza diferentes áreas, como vigilância de casos humanos, vigilância entomológica, vigilância ambiental de epizootias e ações de informação, de educação e
de comunicação visando detectar oportunamente a circulação viral da doença para orientar as medidas de controle, estabelecer áreas de risco e impedir sua transmissão urbana.

10h e 30min às 11h45 - Uso do geoprocessamento na vigilância epidemiológica da febre amarela silvestre
Dr. Luis Filipe Mucci - Biólogo – Pesquisador Científico IV - Lab. de Biologia e Ecologia de Culicídeos – LABEC–SUCEN-Taubaté, SP.

Síntese: O geoprocessamento reúne um conjunto de técnicas e sistemas que permitem a análise integrada de dados com atributo geográfico para fins de pesquisa,
avaliações técnicas e tomadas de decisão. Os diferentes aspectos da ecologia e biologia de mosquitos vetores, hospedeiros humanos e não humanos, e variantes
dos vírus compõem um complexo cenário epidemiológico da febre amarela no Brasil. Isto implica em grande variedade de informações ao se considerar a transmissão
silvestre e o risco de reurbanização. A ampliação do uso do geoprocessamento e seu contínuo desenvolvimento são necessários para que abordagens cada vez mais
realistas e efetivas sejam aplicadas à vigilância e controle desta doença.

Local: Anfiteatro João Yunes – Faculdade de Saúde Pública – SP Av. Dr. Arnaldo, 715