Transmissões

Data

15º Seminário Estadual Áreas Contaminadas e Saúde - Parte 1

Normal Expandido
Formato
Reportar Erro
Denunciar
Incorporar
Recomendar
Download
Gostei
270 visualizações
Publicado em Tue Jan 03 15:38:43 BRST 2017
Responsáveis:  Adelaide Cassia Nardocci
Produção:  Adolpho Levy de Oliveira

15º Seminário Estadual Áreas Contaminadas e Saúde, que foi realizado no dia 8 de dezembro de 2016, no Auditório João Yunes da Faculdade de Saúde Pública da USP, localizado à Avenida Dr. Arnaldo, 715 (Prédio da Biblioteca).

Na primeira década de 2000, o conjunto das áreas contaminadas, resultado de históricos processos produtivos destituídos de cuidados ambientais, passou a figurar de forma mais consistente na agenda do Sistema Único de Saúde – SUS paulista. Este despertar coincide com a divulgação, em 2002, pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo, a CETESB, do cadastro de áreas contaminadas. Atualmente estão contabilizadas 5.376 áreas contaminadas no Estado.

Casos como o da Shell Paulínia e Vila Carioca, Ajax em Bauru e Condomínio Barão de Mauá, entre tantos outros, evidenciaram a necessidade do SUS se estruturar para enfrentar tais desafios, cujo grau de complexidade e incertezas supera as práticas já consolidadas do setor saúde no que diz respeito às questões ambientais.

Os seminários Áreas Contaminadas e Saúde que a Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, por meio do Centro de Vigilância Sanitária, órgão vinculado à Coordenadoria de
Controle de Doenças, realiza desde 2002 em parceria com a Universidade de São Paulo - USP, são parte da estratégia do poder público e da universidade voltada a promover o
debate e a busca de soluções criativas e integradas para a questão.

Em 2016, o Centro de Vigilância Sanitária, em conjunto com as Faculdades de Saúde Pública e de Medicina da USP, e em parceria com outras entidades de notória inserção no tema, organizam o 15º Seminário Áreas Contaminadas e Saúde, que terá como tema central “Panoramas e Perspectivas”, a partir do qual se pretende uma avaliação geral e um balanço crítico a respeito da contaminação do solo e das águas subterrâneas no Estado de São Paulo, bem como das estratégias públicas para seu enfrentamento, com destaque para os desafios que ainda se fazem presente em termos de preservação ambiental e de proteção da Saúde Pública.