Transmissões

Data

Seminário: Crise do Trabalho e Fetiche do Capital Determinações da Reprodução Contemporânea. Mesa: Negatividade Categorial, Fetichismo e a Crítica à Modernização Crítica. PARTE - 05

Normal Expandido
Formato
Reportar Erro
Denunciar
Incorporar
Recomendar
Gostei
346 visualizações
Publicado em Mon Oct 26 16:03:42 BRST 2015

Este seminário pretende se colocar como um momento de discussões e debates que vise a uma problematização sobre as contradições da valorização do valor que se efetivam de forma crítica, de modo que o processo objetivo de auto-negação do capital se mostra a partir da negação do trabalho e seu respectivo tempo (sua medida) como substância (MARX) da reprodução social posta sob o conceito de capital.

A terceira revolução industrial (tecnológica), a partir dos anos 80, estabelecida pela micro-eletrônica e integrada à produção de mais valia, na medida em que intensificou de forma determinante a contradição entre desenvolvimento das forças produtivas e relações de produção, permitiria observar aspectos ímpares da razão do capital formada pela unidade contraditória entre racionalidade e irracionalidade. Assim, a passagem do século XX para o XXI, teria permitido observar que a razão movente do próprio capital estaria fundada, por princípio e como princípio lógico de sua efetividade enquanto valorização do valor, a partir da negação de seu próprio fundamento (o trabalho) como condição de sua efetividade social e lógica. Numa oportuna inversão da dialética hegeliana, isto poderia observar que a posição do fundado é negação de seu fundamento que não se repõe enquanto tal, sendo isso sua posição negativa.

Nos termos de Marx, em sua importante discussão sobre a queda tendencial da taxa de lucro, trata-se de observar que a contradição movente daquilo que efetiva o próprio capital se estabelece como determinações da simultaneidade entre expansão do capital e crise de acumulação, de modo que a própria contradição poderia ser observada como uma negação de formas sucessórias (temporais) dos termos de sua contradição em favor das determinações simultâneas e, assim, espaciais, da efetividade desta sua razão irracional mesma. Onde o próprio tempo se coloca assim como ilusão de razão, fetichizando a irracionalidade simultânea (espacial) como razão do capital. Não seria esta uma crítica de Marx dirigida à serenidade de Ricardo diante da forma simultânea de apresentação dos pólos da contradição do capital?

Não obstante, é oportuno observar que o debate visa a apresentar a problematização referente às fetichizações do valor que daí se observam, através da forma valor, como potência de reprodução da forma social capitalista, posta então, como negatividade do trabalho (porque crítica). Isto na medida em que, na crise e em seu aprofundamento, a reprodução é regida pelas determinações do capital (acumulação), mas cujo fundamento, então, se faz pela sua crise objetiva (desenvolvimento das forças produtivas e tempo médio social de trabalho), tornando fundamento do processo de reprodução a própria negação deste enquanto tal.

Desta maneira, seria de se observar que, na perda da substância, o próprio dinheiro, fetiche de valor, porque posto nele aquilo que é determinação do tempo de trabalho que o mesmo tão somente equivale (reflete), poderia se apresentar, na negatividade categorial posta, não mais como mera representação de um valor como se estivesse posto nele, efetividade fetichista de sua condição de equivalente geral. De um ponto de vista mais profundo, seria de se perguntar se ao mesmo não se aderiu uma fetichização de segundo grau, visto que, na crise da valorização de valor, é necessário não somente naturalizar no dinheiro o valor que não é dele, mas, a partir disto mesmo, fetichizar nele o valor dada a efetivadade fictícia do capital, dada a crise categorial posta pelo aprofundamento da contradição entre desenvolvimento das forças produtivas e relações de produção. O que, aliás, nos incumbe perguntar sobre as determinações do capital fictício na reposição crítica e fetichista dos pressupostos do capital.

Sob esta temática, no entanto, convidamos os/as senhores/as para efetivarmos a discussão proposta.